sexta-feira, 7 de novembro de 2008

OBAMA NÃO É A ENCARNAÇÃO DO MESSIAS

Sectores mais radicais da religiosidade africana vêem em Obama a encarnação do Messias, uma espécie de Cristo negro, há muito ansiado, que terá vindo para “salvar”, “redimir”, dignificar e conferir verdadeira humanidade aos negros.
ISAQUIEL CORI


Barack Obama será, a partir de 20 de Janeiro de 2009, o novo inquilino da Casa Branca, a residência mais notável dos Estados Unidos da América. Uma onda de satisfação varreu o Planeta inteiro. Uma nova esperança tomou conta não só dos norte-americanos mas da humanidade inteira.
A ascensão de um negro à Presidência dos Estados Unidos, a maior potência económica, científica, cultural e militar do Mundo, é vista em vastos sectores negro-africanos como o símbolo da redenção da raça negra, depois das épocas infames da escravatura, do colonialismo e da segregação.
Sectores mais radicais da religiosidade africana vêem mesmo em Obama a encarnação do Messias, uma espécie de Cristo negro, há muito ansiado, que terá vindo para “salvar”, “redimir”, dignificar e conferir verdadeira humanidade aos negros.
Igrejas (ou seitas religiosas) como o Kimbanguismo e o Tocoísmo fundam-se, em termos doutrinários, precisamente na crença da vinda de um Messias Negro.
Depois da vitória de Obama os mais despossuídos do Mundo, independentemente da raça, festejaram de modo frenético. Mas não só os despossuídos: vastos sectores da classe média em todos os países também o fizeram. Obama veio de baixo, fez-se a si mesmo. É, ele mesmo, a encarnação do sonho americano. E mais do que isso é negro.
Mas consciente da complexidade da sociedade americana, Obama em nenhum momento fez da sua condição de negro uma das bandeiras da sua campanha eleitoral. Alguns comentários mordazes qualificaram-no mesmo como “mais branco que McCain”, “candidato elitista” e houve até montagens fotográficas que circularam amplamente na Internet em que Obama aparecia como branco e McCain como negro.
Todavia, é impossível que Obama desconheça o forte impacto da sua vitória, enquanto negro.
Num mundo centrado sobre o homem branco, em que até a linguagem funciona como mecanismo de discriminação racial, como o demonstraram vários estudiosos, para vencer, os negros têm de ser muito bons: inteligentes a dobrar, fortes a dobrar, astutos a dobrar.
Aí está o mérito pessoal de Obama: ele foi duplamente mais inteligente, mais forte e mais astuto que McCain. E isto a começar na forma como a campanha eleitoral foi montada, nomeadamente quanto ao esquema de financiamento, que privilegiou os pequenos doadores, os jovens e usou de modo maciço a Internet.
Ora, Obama é um homem de carne e osso. Não é nenhum Messias. É apenas um homem dotado de muitas qualidades e com ambição de liderança. A redenção dos negros não virá necessariamente por aí. É certo que o facto de uma família negra morar na Casa Branca inaugura uma nova era e, em termos simbólicos, derruba a barreira racial no alto escalão do poder. A redenção negra virá, efectivamente, com a ascensão massiva dos negros nos altos escalões da Educação, da Ciência e do empreendorismo e com o seu resgate das garras das drogas, das doenças endémicas e da pobreza crónica, que, no seu conjunto, actualmente parecem um destino fatal. A redenção dos negros reside no progresso económico, social, político e cultural, beneficiando do mesmo tipo de oportunidades que qualquer outro ser humano, independentemente da cor da sua pele.