segunda-feira, 15 de setembro de 2008

CABINDA QUER SER O PRINCIPAL PÓLO DESPORTIVO DE ANGOLA





Isaquiel Cori │ Cabinda
Eduardo Pedro (fotos)

De manhã, a tarde e à noite o pavilhão desportivo da escola Barão de Puna acolhe dezenas de jovens ávidos de se aperfeiçoarem na prática desportiva. Rapazes e raparigas ora correm ao longo da quadra ora disputam a bola entre si. O suor corre-lhes pelo corpo e o entusiasmo é-lhes visível no rosto e nos gritos com que se autoestimulam. Amélia Simba, 13 anos, estudante da 7.ª classe, treina andebol há 3 meses. De segunda a sábado faz-se presente aos treinos e ela não esconde a sua ambição: “Quero chegar à selecção nacional de andebol”. O seu ídolo desportivo, a figura que lhe serve de farol no quadro do seu sonho, afirma ela, é a campeã Ilda Bengue. “Sonho ser tão famosa como ela”.
A pequena Amélia treina-se no âmbito do Promad, um projecto de massificação desportiva, gizado pelo Governo provincial com a intenção não só de ocupar os tempos livres dos jovens mas também de descobrir novos talentos para a alta competição. O projecto que começou com a modalidade de basquetebol estendeu-se ao andebol e ao futebol.
No basquetebol o Promad já deu resultados mais que visíveis: Cabinda já tem atletas na alta competição, inclusive na selecção nacional e em clubes estrangeiros.
Um dos principais alicerces do Promad é a formação de formadores. Quinze monitores formam atletas de basquetebol. O Governo de Cabinda contratou técnicos especializados para a abertura de várias escolas de futebol, que irão funcionar nos quatro municípios da província: Cabinda, Cacongo, Buco Zau e Belize. “Mandamos também vir técnicos para formação de ciclistas, pugilistas e nadadores”, revela Inocêncio Tomás Júnior, director provincial da Juventude e Desportos.
O Promad não é uma iniciativa isolada. As autoridades provinciais não escondem a sua intenção estratégica. “Queremos tornar Cabinda no principal pólo de desenvolvimento desportivo do país. Esta é uma grande aposta do Governo da província e, em particular, do seu governador”, diz Inocêncio Júnior.

Nada periga o CAN’2010

Não são meras palavras ou intenções vazias. Hoje, Cabinda já se afirma como um dos maiores parques desportivos do país. Desde a realização do Afrobasket, em 2007, Cabinda beneficiou de novas infra-estruturas, como é o caso do Pavilhão Multiuso do Tafe. Na província existem oito pavilhões desportivos cobertos, nomeadamente os pavilhões multiuso da escola Barão de Puna, do Instituto Médio de Economia, de Landana, das escolas Jika e Dangereaux, do Sporting e da escola Lombolombo.
O estádio de futebol do Tafe está em reabilitação profunda, para servir de apoio para o CAN’2010. O de Lândana também está a ser reabilitado.
“Estamos a construir um outro estádio, de luxo, no município de Buco Zau, que já está na fase terminal. Vamos construir no município de Cabinda, no âmbito do CAN, outros campos de apoio nas áreas do Mbaca e de Santa Catarina, para além do adjacente ao estádio principal para o CAN”, informa o director provincial da Juventude e Desportos. “Como pode observar, Cabinda está muito bem servida em infra-estruturas desportivas”, acrescenta.
Mas não é tudo. No âmbito do projecto Despontar, sob tutela do Ministério da Juventude e Desportos, Cabinda vai conhecer a construção de 21 campos pelados de futebol. Em todas as sedes municipais e comunais e na maior parte das aldeias está-se a construir pelo menos um campo de futebol.
“De modo a garantir a manutenção contínua e eficiente desses espaços, adoptamos um modelo em que os mesmos serão tutelados pelas administrações municipais, comunais e pelas autoridades tradicionais, no caso das aldeias, mas sempre sob a supervisão do Governo provincial”, diz Inocêncio Júnior.
Muito recentemente foi bastante comentado o facto de as obras do estádio que vai albergar, em Cabinda, as competições do CAN estarem um tanto atrasadas. Isto deveu-se, com base na fonte que vimos citando, a problemas de escoamento de materiais via Ponta Negra, na República do Congo. “O atraso foi de 20 dias, mas, segundo o empreiteiro, já foi recuperado. Nada poderá perigar a realização do CAN’2010 em Cabinda”.

Para lá do desporto

Como é óbvio, o desporto não é a única área de interesse da juventude. No âmbito do programa Angola Jovem, está-se a terraplanar o local aonde serão construídas 150 residências económicas para a juventude. As casas estarão prontas dentro de cinco meses. Serão igualmente construídos dois centros comunitários para a juventude, um em Cacongo e outro em Belize.
Os centros comunitários são uma espécie de casas da juventude em miniatura. São espaços multidisciplinares que abarcam vários serviços, como formação técnica, lazer, desporto, biblioteca e outros, que servem para os jovens aumentarem as suas habilidades técnicas e académicas e melhorar as desportivas.
No município de Cabinda, a par do projecto habitacional será erguida a Casa da Juventude.
Perto de 200 cooperativas constituídas por jovens, nas mais diversas áreas produtivas e profissionais, beneficiaram de financiamentos no quadro do projecto Crédito Jovem. E isto está a resultar. “Já podemos observar, na província, pequenos negócios feitos com base nesse crédito. Isto é um passo bastante positivo. Estão a surgir pequenos empresários jovens que, se forem bem sucedidos no mercado, a breve prazo poderão transformar-se em grandes empresários”, augura Inocêncio Tomás.
A primeira fase do projecto Crédito Jovem, em Cabinda, atingiu um montante de 200 mil dólares, repartidos pelas distintas cooperativas, através do BPC. Aguarda-se que, em breve, a nível central se dê vazão à segunda fase.