sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O "desespero irredutível" de Bertrand Russel

Bertrand Russel (1872/1970), filósofo britânico, ao mergulhar as suas reflexões no futuro distante da Humanidade, tomado por um "desespero irredutível", escreveu o pensamento abaixo citado, considerado "uma das passagens mais deprimentes da língua inglesa".  

“Nenhum fogo, heroísmo ou intensidade de pensamento ou sentimento é capaz de preservar uma vida para além da sepultura.

Todos os trabalhos de eras, toda a devoção, toda a inspiração, todo o brilho intenso do génio humano, estão condenados à extinção na vasta morte do sistema solar; e todo o templo das realizações humanas terá inevitavelmente que ser enterrado sob os destroços de um universo em ruínas.”